segunda-feira, 13 de abril de 2009

o beijo que te darei.







... no barulho surdo do tempo
sinto seu olhar me tocando
transfiguro sob sua mira
escorro e desfaleço em mil
(tons de verde)
arrepio na pele contraída
mil, ruídos em suspiros
voo livre até sua voz
imaginaçao,
em dez litros de verso
um poema que fiz para ti
dar
amor
.
.
.
.
.
sua.

2. Gustave Klimt, O beijo.

8 comentários:

Madrecita disse...

De todos os beijos os melhores são os que ainda não demos,mas temos intenção de dar....sinta-se beijada...bjs !

fred disse...

Belo poema.
Ótimo blog.

marcela (arlequinal) p. disse...

§

O amor sempre escorre aos litros?...

§

Renata (impermeável a) disse...

marcela...

quando solidifica, o amor, pesa em kilos......



rs

Oliver Pickwick disse...

Felizes são os poetas, seres capazes de vislumbrarem "toques" em um olhar; poesia em "litros", e, eu aposto, amor em metros cúbicos.
Aprecio a criatividade da sua poesia.
Um beijo!

P.S.: Quanto ao seu comentário lá no condado: nem mesmo uma olhadinha! ;)

angelo alfonsin disse...

Lindo! gostaria de saber escrever assim, este quadro de Klimt também é um poema.

beijo

Ariane Rodrigues disse...

Olá Renata! A tela do Klimt deixou ainda mais terno o teu beijo! Abraço!

Pedro Pan disse...

, versos em mil tons verde...
, agradecido pela visita em quimeras. volte quando desejar.
, beijos meus.