domingo, 16 de maio de 2010

... sobre turtle blues I



CONSIDERAÇÕES DE UM SÁBADO A NOITE...

Pula a janela. Salta a cerca. Anda pela madrugada vazia. Fuma um cigarro.


Entra no bar. Pede uma bebida. Senta no canto do balcão. Olha a volta. Observa...


Sobe no palco. Solta o cabelo. Dança o quadril no som do piano. Canta I´m a mean womannnn.



Coloca a língua na boca do último moreno antes da porta. Escuta o eco de seus passos. Acende o cigarro. Anda pela rua vazia. Volta para casa.

4 comentários:

Franzé Oliveira disse...

Típico de quem gosta de solidão.
Hoje acho ela uma boa companhia.
Mas lembro como é bom uma costelinha "quente" junto de mim.

"Tentará de novo se necessário for
Não existe fim
Visto que não teve começo..."



Beijos menina.

Cynthia Lopes disse...

É o grito da loba.
Ela não consegue pegar no sono, sem que antes siga pela rua à procura. Testa seu olhar, seu faro, seus instintos. Só depois da caçada ela pode voltar a quietude...
só depois de caçar ela pode ficar com seus pensamentos, que sem cessar lhe rondam a mente inquieta.
UAU, adorei.

Chez POPI disse...

Renata, só vc!!!
Noite quente...amei!
Bjus da Paula

JOSÉ ROBERTO BALESTRA disse...

Isto é uma verddeira ode à liberdade! Lindíssimo!!!
abs