terça-feira, 28 de julho de 2009

SOBRE O MESMO TETO.


Enquanto lavava a louça do jantar distraída, o cabelo desajeitado, o avental molhado amarrado, marcando despretensiosamente a cintura fina, marido e filho da sala assistindo a barulhenta tv, lembrou novamente daquela frase...
O imenso gelo no estômago.
O CALOR na face.
A rotina dos últimos dias
A adrenalina do desejo proibido


Soltou o avental sobre a mesa e TRANCOU-SE sôfrega no banheiro. Aquelas palavras ditas ao seu ouvido....
Penteou os cabelos
Olhou seus olhos ACESOS
Boca semiaberta recebendo um baton vermelho carmim

E as palavras vindo da boca do estranho ecoavam em TODA circulação sanguínea:
- Penso em você da maneira MAIS voluptuosa possível!
Foto: cena do filme das Pontes de Madison.

6 comentários:

hegli disse...

Afffeeeee, história curta e caliente...
Muito boa!!!!

Anônimo disse...

Loirona: gostei muito desse texto; como vc sabe eu sou fotógrafo, já meio coroa, falta-me a "minha Francesca". Um beijo...

D.Ramírez disse...

Texto muito bom, parece pular pra fora. E querendo ficar dentro, lendo e relendo.
Besos

Navegando com o Álvaro Míchkim disse...

Obrigado pela visita e tenha certeza que, 'sobre o mesmo teto", seja de telha, seja de zinco, "... tudo vale a pena, quando a alma não é não é pequena!". Valeu!
Abraços

Madrecita disse...

Madison é tudo de bom!

Simone Huck disse...

Hummm, acho que a história vai continuar...rs.
Belas linhas.