terça-feira, 29 de junho de 2010

... sem palavras...

quando ele a jogou a parede
cobriu de beijos sua boca antes mesmo de tentar decifrar os olhares misteriosos
decidiu que não haveria mais sutileza
nem meia palavra
muito menos sentimentos jogados no ar
seria tudo claro
traduzido
visceral

apaixonado.

(vídeo: cena incrivel do filme "Vestígios do dia")

7 comentários:

Otávio T. Nogueira T.T.N disse...

Reee...
Como sempre tu me surpreende com teus textos, sempre bem escritos...
Sou teu fã.. :P
^^
Bjs

Por que você faz poema? disse...

E o dia continua deixando seus vestigios, suas pegadas, suas inquietudes.

Fredy Rossi disse...

Entrei no seu blog pelo seu orkut, e entrei no seu orkut pela comunidade do Bukowski, encontrei bastante coisa dele aqui, e mais algumas outras coisas que eu gosto também. Parabéns pelo blog, gostei muito.

Fredy Rossi disse...

Olá. Entrei no seu blog pelo seu orkut, e entrei no seu orkut pela comunidade do Bukowski, gostei bastante das relações que voce aborda no seu bloh. Parabéns.

Ramon Alcântara disse...

Estava lendo comentários antigos no Ann Nothing e te encontrei. A primeira pergunta: a? Bom não saber de primeira, ficar a curiosidade... ainda bem que a parede do poema compartilha da característica.

add!
abz!

lc carvalho disse...

obrigado sua visita e comentário! belos versos aqui!

abs

Cynthia Lopes disse...

Vi a cena sem som. Inacreditável intensidade, dois grandes atores, os melhores! Amei. bjs